Bibliografia: Praticante de Prático

BIBLIOGRAFIA RECOMENDADA PARA A PROVA ESCRITA DO PROCESSO SELETIVO A CATEGORIA DE PRATICANTE DE PRÁTICO

I – Manobrabilidade do Navio (SHIP MANOEUVERABILITY)

1) CRENSHAW, RUSSEL SYDNOR – Naval Shiphandling (Edição atualizada)
- Capítulo 2 – Forces Affecting the Ship

2) LEWIS, EDUARD V. – Principles of Naval Architecture, SNAME (The Society of Na-val Architects and Marine Engineers, VOLUME II E III
Capítulo V – Resistência – Seções 1, 3 , 4 e 5
- Introduction
- Frictional Resistance
- Wave-Making Resistance
- Other Components of Resistance
Capítulo VI –Propulsion– Seções 1, 2 , 4, 6 , 7, 10
- Powering of Ships
- Theory of Propeller Action
- Interaction Between Hull and Propeller
- Geometry of the Screw Propeller
- Cavitation
- Other propulsion Devices (jet propulsion, paddle wheels, vertical-axis propellers, controllable pitch propellers, tandem and contrarotating propellers, super-cavitating propellers, overlapping propelllers)
Capítulo IX – Controllability – Seções 1,3,4,5,6,10,12, 13 e 14
- Introduction
- Motion Stability
- Analysis of Coursekeeping and Controls-fixed Stability
- Stability and Control
- Analysis of Turning Ability
- Accelerating, Stopping and Backing
- Effects of the Environment
- Vessel Waterway Interactions
- Hydrodynamics of control surfaces
􀂃 Geometry, Forces and Moments
􀂃 Flow Around a Ship’s Rudder
􀂃 Scale effects
􀂃 Effect of Aspect Ratio
􀂃 Free-stream Characteristics of All-Movable low Aspect-Ratio Control Surfaces.
􀂃 Influence of Hull Shape on Effective Aspect Ratio of All-Movable Control Surfaces
􀂃 Influence of Fixed Structure and Flapped Control Surfaces

3) SQUAT INTERACTION MANOEUVERING. THE NAUTICAL INSTITUTE.


II – Arte Naval (SHIPHANDLING)
1) CRENSHAW, RUSSEL SYDNOR – Naval Shiphandling (Edição atualizada)
􀂃 Capítulo 3 – Propellers and Rudders.
􀂃 Capítulo 5 – Handling Alongside.
􀂃 Capítulo 6 – Anchoring and Mooring.
􀂃 Capítulo 7 – Single – Screw Ocean Escorts.
􀂃 Capítulo 10 – Restricted Waters.
􀂃 Capítulo 18 – Pilots and Tugs.
􀂃 Capítulo 20 – Mariners at Work.

2) FONSECA, MAURÍLIO M da. ARTE NAVAL. Rio de Janeiro (Edição atualizada)
Capítulo 1 – Nomenclatura do Navio.
Capítulo 7 – Cabos.
Capítulo 8 – Trabalhos do Marinheiro.
Capítulo 9 – Poleame, Aparelhos de Laborar e Acessórios.
Capítulo 10 – Aparelhos de Fundear e Suspender.
Capítulo 11 – Aparelho de Governo, Mastreação e Aparelhos de Carga.

3) MACELREVEY, Daniel H. SHIPHANDLING FOR THE MARINER. CORNEL MARI-TIME PRESS (Edição atualizada).

4) HENSEN, CAPTAIN HENK – TUG USE IN PORT – A PRACTICAL GUIDE, FNI – THE NAUTICAL INSTITUTE (Edição atualizada).

5) SILVA, OTÁVIO A. F. ALVES DA/GONÇALVES, M.C. CAJATY – REBOCADORES PORTUÁRIOS.


III – Navegação em Águas Restritas

1) SWIFT, CAPTAIN A. J. – BRIDGE TEAM MANAGEMENT – A PRACTICAL GUIDE. THE NAUTICAL INSTITUTE.

2) MIGUENS, ALTINEU PIRES – NAVEGAÇÃO: A CIÊNCIA E A ARTE – Rio de Janei-ro : DHN (Edição atualizada) – Capítulo 14 – Navegação Radar.


IV – Legislação e Regulamentação

1) NORMAM 01 - BRASIL. Diretoria de Portos e Costas. Normas da Autoridade Marí-tima para embarcações empregadas na navegação de mar aberto. Rio de Janeiro, 1999. Cap 7: Borda livre e estabilidade intacta. 1v. paginação irregular. (Edição a-tualizada).

2) NORMAM 09 - Normas da Autoridade Marítima para Inquéritos Administrativos. Rio de Janeiro, 1999. 1v. paginação irregular. (Edição atualizada).

3) NORMAM 12 - Normas da Autoridade Marítima para o Serviço de Praticagem. Rio de Janeiro, 1999. 1v. paginação irregular. (Edição atualizada).

4) NORMAM 02 - Normas da Autoridade Marítima para embarcações empregadas na navegação interior. Rio de Janeiro, 1999. Cap.11: Regras para evitar abalroamen-to. 1v. paginação irregular. (Edição atualizada).

5) NORMAM 08 - Normas da Autoridade Marítima para tráfego e permanência de em-barcações em águas sob jurisdição nacional. Rio de Janeiro, 1999. 1v. paginação irregular. (Edição atualizada).

6) BRASIL. Lei no 2.180, de 05 de fevereiro de 1954.

7) BRASIL. Lei no 9.537, de 11 de dezembro de 1997, que dispõe sobre a Segurança do Tráfego Aquaviário em Águas sob Jurisdição Nacional. Brasília, 1998.

8) BRASIL. Decreto no 2.596, de 18 de maio de 1998, que regulamenta a Lei no 9.537/97.

9) CÓDIGO Internacional de Sinais: incorporando as emendas de 1986. Trad. Estado-Maior da Armada, colab. da Dir. de Saúde da Marinha. Rio de Janeiro: Diretoria de Portos e Costas, 1987. 144p. Il. (Edição atualizada).

10) CONVENÇÃO SOBRE O REGULAMENTO INTERNACIONAL PARA EVITAR A-BALROAMENTOS NO MAR, Londres, 1972. Convenção sobre o regulamento in-ternacional para evitar abalroamento no mar, 1972 incorporando as alterações ado-tadas pelas resoluções da IMO. (Edição atualizada).

11) Publicações da DHN de interesse do exame e as que são utilizadas a bordo do na-vios mercantes, por exemplo: Tábuas de Marés, Roteiros, Lista de Auxílio-Rádio, Lista de Faróis, Carta 12.000 (Símbolo, Abreviaturas e Termos) e Regulamento pa-ra a Sinalização Náutica. (Edições atualizadas).

12) NORMAM-22/DPC – Normas da Autoridade Marítima para o Cerimonial da M
ari-nha Mercante Nacional.


V – Meteorologia e Oceanografia
1) LOBO, PAULO ROBERTO VALGAS e SOARES, CARLOS ALBERTO - Meteorolo-gia e Oceanografia - Rio de Janeiro - DHN (Edição atualizada).


VI – Comunicações
1) STANDARD MARINE COMMUNICATION PHRASES. Resolução n° A.918(22) da IMO.

2) LOBO, PAULO ROBERTO VALGAS e SOARES, CARLOS ALBERTO - Meteorologia e Oceanografia - Rio de Janeiro - DHN (Edição atualizada) - Capítulo VII - GMDSS.

3) FONSECA, MAURILIO M. - ARTE NAVAL - Rio de Janeiro - SDM (Edição atualiza-da) - Capítulo 17 - O Sistema Marítimo Global de Socorro e Segurança.


Rotina da Praticagem:

C@G@D@S:
Queen Elizabeth 2 - Grounding
Colisão em São Sebastião - Direito de Passagem
Porto de Vitória - Erro na Manobra
"Rebocador" - mau posicionamento
Oceanus - Listing
Ushuaia - Leeway
Encalhe proposital - Shipbreaking
Comments